Agentes de Promoção da Acessibilidade

O projeto Agentes de Promoção da Acessibilidade reúne jovens com e sem deficiência para tratar de mecanismos de participação política na sociedade, a partir da inclusão.

Entendemos que a diversidade está presente em qualquer comunidade, e é preciso garantir o direito humano à comunicação. Jovens que aprendem práticas inclusivas como a língua de sinais, audiodescrição e outros recursos de acessibilidade comunicacional. Estas ações geram benefícios individuais como melhor  empregabilidade, por exemplo, e também fortalecem as redes cidadãs locais. 

Quanto mais acessível, mais sustentável será uma comunidade. No Agentes de Promoção da Acessibilidade,  jovens aprendem sobre comunicação acessível, cultura e legislação inclusiva.

Jovens com e sem deficiência em Brasília, onde puderam combinar o aprendizado com a influência nas políticas públicas

Descrição da imagem: Um grupo enorme de, participantes e equipe da Escola de Gente sorrindo e mostrando placas do 2º JUVA. Ao fundo, o Congresso Nacional.

O desenvolvimento das comunidades onde estes jovens estão inseridos, a partir do conhecimento adquirido no projeto, pode ser dimensionado pela consciência sobre seus direitos, e as possibilidade de solução de cidadania e solidariedade que esta rede cria.

Por exemplo: uma pessoa surda chega em um hospital e não tem intérprete de Libras. A equipe do local pode chamar uma das pessoas formada por nossas oficinas que seja moradora da localidade para ajudar no atendimento. 

Descrição da imagem: uma plateia de jovens com uniformes de uma escola da prefeitura do Rio de Janeiro. Em primeiro plano, dois jovens seguram o livro “Um amigo diferente?” aberto, lendo-o. Ambos usam o fone de ouvido para o recurso da audiodescrição.

  

O projeto começou em 2011, e já passou por diversas comunidades e edições ao longo dos anos, em grande parte graças ao apoio e parceria da Petrobrás e do Oi Futuro. 

Neste período, 252 jovens foram capacitados como Agentes de Promoção da Acessibilidade. Mais de 758 horas de formação em direitos de pessoas com deficiência pelas oficinas. A distribuição de livros em formatos acessíveis chegou a 7.542 exemplares. Tudo isso envolvendo 18 organizações.

No início de 2019, o projeto recebeu dois grandes prêmios na ONU. O primeiro foi o certificado de prática inovadora. Dentre todos os projetos de acessibilidade na área de independência e participação política, ele foi selecionado como um dos melhores e mais inovadores. Além disso, também foi reconhecido dentre os projetos com mais potencial de ser replicado mundo afora. Por este motivo, recebemos o segundo prêmio: uma formação de meses com o propósito de adaptar este projeto para fazer essa distribuição, o Zero Project Impact Transfer.

Descrição da imagem: uma atriz do grupo “Os Inclusos e os Sisos” segurando um folder em braille aberto. Dois jovens passam a mão no topo do folder. No fundo, pessoas de costas.